Jogos de Negócios

Tomar Decisão? Aprenda a Decidir Treinado com Jogos de Negócios

negócios

Os Jogos de Negócios podem ser construídos de duas formas. A primeira é totalmente cartesiana e booleana, aproximando-se de um QUIZ, em que são apresentadas perguntas e escolhe-se uma das repostas diretas relacionadas ao questionamento. Este modelo não é considerado por muitos como um jogo, porém se for usada uma simulação no processo de escolha das perguntas e respostas, aproveitando o desempenho dos participantes, pode-se fazer com que o processo de aprendizado siga a capacidade cognitiva do indivíduo, sendo acelerado ou retardado de acordo com a curva de aprendizado desenvolvida individualmente. A consequência deste tipo de ação permite que o QUIZ seja customizado para cada pessoa que estiver participando do treinamento. Porém ainda assim este modelo não tem uma das principais características de um jogo que é a competição.
Para que um QUIZ passe a ser competitivo, é necessário que os participantes concorram uns com os outros. Desse modo, durante um treinamento com QUIZ, pode-se fazer esta competição avaliando variáveis como “quantidade respondida corretamente” versus “o tempo de respostas”. Se este procedimento gerar um score, certamente os mesmos poderão ser comparados determinando um vencedor. Isso proporcionará a continuidade da participação de muitos, porém também pode trazer apatia no momento em que alguém perceber que está em uma posição sem possibilidade de recuperação.

Esta simulação é recomendada para áreas mais operacionais ou para ensino mais técnico, preparando os profissionais com conceitos mais concretos e pouco abstratos, possibilitando o aumento de sua produtividade e efetividade em seu trabalho diário dado o aumento de seu conhecimento para executá-lo.

Tal modelo ainda pode ser aperfeiçoado valendo-se das técnicas que melhoram o processo cognitivo do indivíduo, apresentando as perguntas ou os cenários que contextualizam as mesmas, por exemplo, com filmes ou animações. A utilização de filmes proporciona estímulo audiovisual que ajuda a manter o aprendiz atento, incentivado e interessado, maximizando o processo de aprendizado. Outro ponto importante é o fato de os filmes estimularem o pensamento filosófico, permitindo, assim, o aumento da abstração e, consequentemente, a visão além da simples teoria.

A outra forma de construir um Jogo de Negócios é buscando utilizar mais profundamente os conceitos da teoria dos jogos, amplamente estudado pelo matemático americano e Nobel em Economia, John Forbes Nash Jr. Este modelo busca criar cenários complexos, inserindo os participantes em um ambiente fictício, que simula o seu dia a dia, testando suas habilidades no processo de execução das tarefas, pensamento abstrato, reações a mudanças de cenários e a pressão por resultados.

Este processo vivencial permitirá que sejam testadas ideias, percepções ou teorias que, anteriormente, ficavam no conhecimento tácito dos indivíduos, ou seja, aquele que ele adquiriu ao longo da vida, que forma o que chamamos de “conhecimento de mundo”. Geralmente, esse conceito é difícil de ser formalizado ou explicado para a outra pessoa, pois é subjetivo e inerente às habilidades humanas.

Com os Jogos de Negócios, há a possibilidade de ampla aplicação da gestão do conhecimento, possibilitando a explicitação dos conhecimentos tácitos, transformando os conhecimentos individuais em coletivos. Este processo permitirá a disseminação das informações, teorias e processos que antes eram propriedades de poucas pessoas. Portanto, além de ensinar novas teorias, os Jogos de Negócios disseminam o conhecimento.

Eles ainda permitem que sejam simuladas as ações dos concorrentes e suas consequências nas empresas e no mercado, pois como cada grupo representa uma empresa, a tendência é que, segundo a teoria de Jogos de Negócios de Nash, a ação de uma equipe, que também é denominada de agente econômico, poderá gerar uma mudança no mercado como um todo. Como a ação de um grupo de jogadores tende a influenciar diretamente no resultado do outro, há a possibilidade de criar uma série de cenários que se aproximem da realidade. Este modelo permite certa aleatoriedade ao jogo, se o mesmo for comparado a outro realizado com equipes diferentes, possibilitando que cada partida seja única, simulando cenários reais e com possíveis ocorrências de nosso dia a dia.

Um jogo deverá ser estruturado intrinsecamente dentro de um cenário específico, formulando modelos que atendam a uma realidade e suas possíveis combinações, criando fatos diversos.

As simulações permitem gerar ocorrências que são impossíveis em um modelo tradicional de ensino. Pode-se, por exemplo, simular em um jogo o aumento de condições extremamente adversas, modificando variáveis em níveis impensáveis, como, por exemplo, subir a inflação e o cambio para níveis extremos, gerando uma crise que pode levar o país fictício a uma depressão. Este procedimento prepara o profissional para pensar soluções além das previstas, permitindo a ele extrapolar suas ideias e preparar-se para os mais diversos tipos de eventos.

Em cenário de competição global intensiva, simular a realidade faz mais do que sentido. Em um mercado onde as fronteiras passaram a ser apenas linhas em um mapa torna-se primordial perseguir produtos, preços, serviços, marcas e estratégias com uma diversidade jamais vista anteriormente. Os “produtos” oferecidos estão cada vez mais próximos quando se trata de inovação, de qualidade e de forma de comunicação. Torna-se mais complexo determinar um diferencial que proporcione a uma empresa ser mais competitiva que outra.

Fazer com que os profissionais vivenciem estes cenários é fundamental para que os mesmos possam achar soluções, gerar ideias ou mesmo antecipar ações de concorrentes.

Preparar o staff com o uso de Jogos de Negócios é uma metodologia precisa e assertiva para garantir a percepção de um mercado cada vez mais complexo, mais incerto e mais concorrido.

Fernando Arbache

Fernando Arbache

Doutorando ITA. Mestre em Engenharia Industrial PUC/Rio. Independent Education Consultant working with MIT Professional Education. Graduado em Engenharia Civil, UFJF. Data and Models in Engineering, Science, and Business/MIT, Cambridge, MA (USA). Challenges of Leadership in Teams/MIT, Cambridge, MA (USA). Data Science: Data to Insights/MIT, Cambridge, MA (USA). AnyLogic Advanced Program of Simulation Modeling/Hampton, NJ (USA).: Educational Consultant working with MIT. Coordenador da FGV em cursos de Gestão (curso de MBA em Gestão das Casas Bahia). Professor FGV, nas cadeiras e Logística, Estatística, Gestão de Riscos e Sistemas de Informação. Professor da HSM Educação nas cadeiras e Logística e Estatística. Professor IBMEC, Professor concursado na FATEC/São José dos Campos. Obras: ARBACHE, F. Gestão da Logística, Distribuição e Trade Marketing. São Paulo: Ed. FGV, 2004. ARBACHE, F. Logística Empresarial. Rio de Janeiro: Ed. Petrobras, 2005. ARBACHE, A. P. e ARBACHE, F. Sustentabilidade Empresarial no Brasil: Cenários e Projetos. São José do Rio Preto- SP: Raízes Gráfica e Editora, 2012. Pesquisa: Desenvolvimento de modelos de mapeamento de Competências Comportamentais e Técnicas, por meio de gamificação com uso de Inteligência Artificial, utilizando Deep Learning e Machine Learning (http://www.arbache.com/mobi). Desenvolvimento de pesquisa de modelos para geração de indicadores de aprendizados para inovação, assim como de competências essenciais para inovação (curva de aprendizado e gaps de competências) e obtenção de ROI (Return Over Investment). As pesquisas que estão em desenvolvimento, têm como hipótese que existem modelos inovadores, para mapeamento de aprendizado adaptativo, com o uso de inteligência artificial, para atendimento em empresa e pessoas. Esses indicadores estão em uso, em um dos maiores programas de inovação para o cooperativismo da América Latina, que é fruto de pesquisas realizadas, desenvolvido e concebido por minhas pesquisas (http://www.arbache.com/inovaccop). Atualmente são 75 cooperativas de diversas áreas de atuação e aproximadamente 500 participantes. Estudos acima impactam no desenvolvimento do conceito RH 4.0 ou RH de Precisão, assim como no entendimento do impacto da Gestão por competências em um ambiente de inovador. Desenvolvimento de Inteligências nos dados e métricas - Big data e precisão nas tomadas de decisões na gestão de pessoas. Com os elementos anteriores, estuda-se a estratégia de negócios e estoque de talentos - o que os números revelam para o sucesso nas organizações. Estatística e inteligência estratégica para negócios em ambientes inovadores. Experiência Profissional: CIO (Chief Innovations Officer) da empresa Arbache Innovations especializada em simulação, inovação com foro em HRTech e EduTech – empresa premiada no programa Conecta (http://conecta.cnt.org.br) como uma das 5 entre 500 startups mais inovadoras da América Latina. Empresa Acelerada pela Plug&Play (https://www.plugandplaytechcenter.com) em Sunnyvale, CA – Vale do Silício entre novembro e dezembro de 2018. Desenvolvimento de parceria com o MIT – Massachusetts Institute of Technology para cursos presenciais e digitais – http://www.arbache.com/mitpe, https://professional.mit.edu/programs/digital-plus-programs/who-we-work & https://professional.mit.edu/programs/international-programs/who-we-work

Deixe seu comentário

Clique aqui para publicar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.