Cotidiano

Sobre a Temperatura Afetiva… E Um Excelente Fim de Semana!

guarda chuva e corações

Dizem que a dor que machuca é a mesma que ensina… ou se repete.

Como deve ser que devemos fazer para mantermos o viço da alma e nos encorajarmos dia a dia para o próximo dia? Costumo dizer que se é humano, já é relativo por natureza.

Todos que são rápidos no julgamento deixam de contemplar as inúmeras variáveis possíveis das coisas e das pessoas. Somos seres cheios de cacoetes, com almas adiposas de apego, e temos como doença moderna a falta de delicadeza com as pessoas, por isso da real necessidade do eterno exercício da vigília para que a gentileza – de alguma forma – volte a fazer parte do cotidiano das pessoas.

Me parece tão raro ouvir “obrigado” ao invés de “valeu!” ou até mesmo “de nada”, que chego a pensar ser de outro planeta pessoas que utilizam a amabilidade como um recurso social – ao mínimo – já que ela de fato, abre tantas portas e janelas e mundos.

Será que é possível manter o vigor no olhar com tanta cara amarrada, tanta frase dúbia enroscada, tanta pressa desnecessária?

As pessoas se atrasam a compromissos e quando chegam, não tem o descalabro de pedir desculpas, mandar uma mensagem de texto avisando do imprevisto, ou mesmo ligando ou pedindo para que alguém se incumba disto. Parece ser “normal” atrasar, afinal de contas o trânsito, o outro compromisso… mil desculpas que não comportam justificativa para o tempo do outro. Tal descuido nos faz crer que somos menos importantes, e que a vida atingiu uma mediocridade repugnante.

Devemos cuidar das nossas relações sim, e melhor ainda, daqueles que fazem parte cotidiana das nossas vidas. Já vi pessoas tratarem melhor os estranhos da vida que seus próximos colegas de trabalho, parentes e cônjuges. Como assim?

A vida – definitivamente – vez ou outra necessita de pausas. Pausas para ajeitar a forma, o tom, o vocabulário, a emoção, e por que não, a análise. Escutar mais que falar (meu desafio diário) é prova de sabedoria, pois é aí que você enxerga no outro aquilo que ele é. Se formos nós os condutores da conversa, perdemos este poder de entender o outro, já que nossa voz poderá calar a riqueza do outro. E o curioso aqui é que parar não é interromper, pois muitas vezes, continuar que é interromper.

Certa vez eu li que felicidade é o que depende do que acontece fora de nós, e alegria depende do que acontece dentro de nós, por isso, peço sempre, alegria para que eu tenha doçura, e sabedoria para os momentos de dores, quedas e provações, pois nada deveria tirar o extrato da leveza que é viver e acreditar que os percalços existem para nos deixar fortes, humildes e nos lembrarmos sempre, que somos humanos, falíveis e cheios de defeitos.

A viagem da vida é personalíssima e creditar culpados, vitimizar momentos e se colocar na posição passiva da própria vida, é de um desperdício imperdoável! Vamos embora viver, se alegrar e seguir adiante, com novas perspectivas, novo olhar sobre o mesmo, mesmo sapato sob a estrada, e o melhor: com cicatrizes dignas dos momentos que nos permitiram ser quem somos hoje.

E para você que não consegue aceitar um elogio de cara limpa sem engasgar, pára tudo! O elogio sincero me parece uma ferramenta poderosa de amor, que multiplica seus efeitos se você simplesmente agradecer esses momentos ao invés de achar que não merece, achar que é bajulação ou qualquer sentimento pequeno. Somos ricos e singulares, e quando merecemos e recebemos um elogio, ele deve ser sorvido com a mesma entrega que o outro – genuinamente – declamou.

Ana Luiza

“Dois excessos: excluir a razão, e admitir apenas a razão.” Blaise Pascal

Ana Luiza Alves Lima

Nascida em Santos, São Paulo, Brasil. Advogada e Consultora na Gestão de Pessoas em São Paulo – SP, Brasil. Formação: Bacharel em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de Santos (UniSantos-SP); Pós-graduado em Gestão de Seguros (Fundação Getúlio Vargas – FGV-SP); Consultora do Serviço Nacional do Comércio (SENAC para cursos livres e de pós graduação) e Administração de Recursos Humanos, pelo SENAC/SP. Membro da Ordem dos Advogados do Brasil, Secção de São Paulo e da Associação dos Advogados de São Paulo.

Deixe seu comentário

Clique aqui para publicar um comentário

Entre em contato conosco

 

Mensagem enviada com sucesso

Em breve retornaremos o contato.

◄ Voltar

Outros projetos da Arbache Tec

Telefone para contato
+55 11 97289-0180
Nosso e-mail
contato@arbache.com
Todos os direitos reservados @arbache 2017