Empreendedorismo e Inovação Gestão de Projetos

Ser Ou Não Ser Um Especialista Técnico? Eis a Questão.

Por Alexandre Zoppa, PMP, SpP, MSP Foundation

Para esse artigo eu escolhi um tema que é bastante polêmico e amplamente discutido no ambiente de gerenciamento de projetos. Cada um tem um ponto de vista diferente, com seus argumentos prós e contras. A intenção desse artigo não é de ser conclusivo. Pelo contrário, a intensão é convidar a todos para uma reflexão sobre o tema: os profissionais envolvidos com o gerenciamento de projetos devem, ou não, ser especialistas técnicos?

Em primeiro lugar é preciso lembrar que o Gerente de Projetos, na maioria das organizações, não é um cargo funcional. Isto é, o gerente de projetos, ao contrário de um gerente funcional (do departamento de Marketing, por exemplo) não tem um departamento e uma equipe funcional para gerenciar. Ele tem um projeto e a equipe montada para executar esse projeto.

Dependendo do grau de maturidade em projetos da organização, sua cultura e estrutura organizacional, que varia de funcional à projetizada (ver página 21 do Guia PMBOK® para mais detalhes sobre estruturas organizacionais), o Gerente de Projetos pode ter uma equipe formada para um determinado projeto sem que nenhum de seus membros responda a ele funcionalmente. Nesses casos, o seu desafio é ainda maior. Mas esse é um assunto para outro artigo.

Há alguns anos, antes do Gerenciamento de Projetos começar a ser tratado como uma ciência e despontar no gerenciamento dos grandes projetos, as atividades e processos de gerenciamento eram realizados de forma descentralizada, pelas áreas funcionais das organizações. Nessa época, o conceito de projetos era restrito à engenharia, TI, construção e áreas técnicas correlatas. Nas estruturas organizacionais havia os departamentos que eram responsáveis por processos distintos, compartilhando as responsabilidades de sua execução. Assim, havia o departamento de engenharia, cujo Gerente era responsável pela elaboração de todos os projetos em andamento dentro da organização. Da mesma forma, havia o departamento administrativo para cuidar da administração dos contratos, o de logística, qualidade, etc. Cada um fazia a sua parte e a integração ficava por conta dos Gerentes funcionais.

Com o aumento do tamanho e da complexidade dos projetos, ficou clara a necessidade de processos que fossem totalmente voltados para o seu gerenciamento integrado. Começaram a surgir as primeiras ideias e teorias, e o Gerenciamento de Projetos nasceu e começou a crescer como ciência.

Assim como em outras áreas da ciência, houve um grande movimento de desenvolvimento e especialização do Gerenciamento de Projetos. Há várias organizações que contribuem para o desenvolvimento do conhecimento nessa área, como o PMI (Project Management Institute), o IPMA (International Project Management Association), APM (Association for Project Management), AACE International, etc. Para dar um exemplo da especialização do conhecimento nessa área, O PMI passou a ter outras certificações além do PMP (Project Mangement Professional) e a CAPM (Certified Associate in Project Management), como a PgMP, PfMP, PMI-SP, PMI-RMP e, mais recentemente, a PMI-ACP (para detalhes das certificações, veja o site www.pmi.org). As outras entidades também têm as suas diversas certificações.

Hoje há diversos cursos livres de formação em Gerenciamento de Projetos e preparatórios para certificações disponíveis a qualquer profissional que se interesse pela área. Também há cursos de especialização em nível de pós-graduação e MBA, disponibilizados pelas principais instituições de ensino do mundo.

Com toda essa especialização e conhecimento desenvolvido, é natural que mais e mais profissionais estejam se formando e especializando nessa área. O conceito de projetos se expandiu para muito além dos limites das áreas técnicas e hoje, utilizamos o seu conhecimento, ferramentas e técnicas para gerenciar projetos nas mais diversas áreas como publicidade, política, saúde, governamental, etc.

Assim nasceu um novo profissional, com diversos níveis de especialização e experiência, cuja responsabilidade é garantir, através da aplicação de habilidades, conhecimento, ferramentas, etc., que os projetos atinjam seus objetivos de prazos, custos, escopo, qualidade, satisfação das partes interessadas e entreguem os benefícios para os quais foram desenvolvidos. Esses profissionais, que já possuem cargos e funções diversas como Gerente de Projetos, Assistentes, Analistas, Planejadores, Apontadores, Especialistas em Riscos, Qualidade, etc, devem focar suas atividades diárias nos processos de gerenciamento dos projetos a que estão vinculados.

A execução do projeto fica à cargo de outros profissionais, especialistas nas áreas em que os projetos estão sendo desenvolvidos. Assim, se o projeto for de construção de uma fábrica, sua execução estará a cargo de engenheiros; se for de desenvolvimento de um novo software, de analistas; e o lançamento de um novo produto, de profissionais de marketing e publicidade.

Para concluir o meu raciocínio e dar a minha resposta para a pergunta – os profissionais envolvidos com o gerenciamento de projetos devem, ou não, ser especialistas técnicos? – faço uma analogia. Os Administradores e Controlers, precisam ser especialistas no core business da empresa, ou precisam ser especialistas em administração e finanças?

É claro que o dia a dia dos profissionais envolvidos no gerenciamento de projetos fica facilitado quando eles conhecem tecnicamente a área em que o projeto esta sendo desenvolvido. Esse é um fator que não pode ser desconsiderado. Mas eu estou cada vez mais convencido que o importante para os profissionais de gerenciamento é o conhecimento e a experiência nos processos de gestão, para cumprir seu objetivo de garantir o sucesso do seu projeto! Enquanto profissionais de gerenciamento, devemos nos concentrar no planejamento, acompanhamento e controle do projeto, deixando a responsabilidade da sua execução com os profissionais especialistas.

E você? Qual a sua opinião sobre esse assunto?

Uma ótima semana a todos!

Se você tem comentários, sugestões ou alguma dúvida faça contato:

alexandrezoppa@yahoo.com.br

Skype: azoppa

Cel: 11 99272-8307

Referência Bibliográfica:

Project Management Institute, A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK® Guide) – Fifth Edition. USA: Project Management Institute, Inc., 2013.

Avatar

Alexandre Zoppa

Profissional sênior, certificado PMP e MSP, com vasta experiência na área de Gestão de Portfólios, Programas e Projetos de Mega-projetos e Programas complexos e multidisciplinares.

Competências sólidas em gestão, coordenação, planejamento e controle de projetos, liderança de equipe e comunicação, adquirida através de experiência como PMO, Gerente de Projetos, Coordenador de Planejamento, Gerente de Engenharia e Tecnologia e Especialista em Implantação de Projetos.

Experiente em técnicas de gerenciamento de Mega-projetos, incluindo planejamento e controle, programação, gerenciamento de contratos, análise de risco, relatórios, gerenciamento de custos, gerenciamento de restrições, análise de sinistros e outros, e no desenvolvimento e implementação de metodologias de gestão de Programas e Projetos, com base no PMI e nas Melhores Práticas da Axelos, através da implantação de PMO, para acompanhar a execução de Projetos e a gestão e monitoramento de Programas e Portfólios.

Engenheiro eletrônico formado pela Escola de Engenharia Mauá, pós-graduado em Administração de Empresas pela FAAP e com aperfeiçoamento em Gerenciamento de Projetos pela George Washington University, é instrutor em Gerenciamento de Projetos e colunista dos sites PMKB e Arbache.

Deixe seu comentário

Clique aqui para publicar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.