Arbache Indica Carreira Educação Estratégia Geral Gestão de Pessoas Inovação Jogos de Negócios

People Analytics indicando o nível de maturidade e capacidade de tração para cultura empreendedora e de inovação nas organizações: um estudo de caso.

Criar, selecionar e potencializar ideias para ambiente de negócios tem sido o foco das organizações contemporâneas. Novas ideias, quando bem analisadas e tratadas, podem se tornar decisivas para a sobrevivência, ou não, das organizações no século XXI. Preocupadas com a sua perenidade no mercado, as organizações se transformam em organizações adaptativas, flexíveis, empreendedoras e aderentes às demandas desse contexto.

Ao se tornarem organizações adaptativas e empreendedoras, necessariamente, elas também devem se tornar ambientes seguros para a inovação, ou seja, um espaço propício para a criação, proliferação, encubação e seleção de ideias mais adequadas em relação às estratégias e expectativas de resultados para as organizações.

Os novos produtos, processos e serviços nascerão desse ambiente seguro, onde criar, prototipar, errar e remodelar serão exercícios cotidianos para aumentar as chances de sucesso em um movimento voltado para uma cultura de inovação nas organizações.

Ter apetite para o erro, não ter medo de enfrentar desafios, ter o risco como parceiro, não ser complacente com a “pseudo” zona de conforto, e, sempre, desconstruir antigas verdades que precarizam, ou mesmo, vedam a possibilidade da descoberta da criação do novo, são comportamentos que favorecem e agilizam a instalação da cultura empreendedora e de inovação nas organizações.

A tecnologia passa a ser a grande aliada, mas, são as pessoas que criarão as ideias e possibilitarão, através de seus conhecimentos e vivências, o encontro (o match) perfeito entre o que a tecnologia oferece, e o que o mundo e as organizações precisam para sobreviver. O fator humano com seu potencial cognitivo, suas emoções e suas experiências de vida são determinantes para que a inovação seja traduzida em negócio e lucro.

No entanto, podemos identificar que há nas organizações, profissionais que exercem com maior grau de dominância as suas competências voltadas para a inovação (chamamos de perfil inovador), e outros que estão mais preparados para “transformarem” as inovações em projetos e negócios (chamamos se perfil transformador) [1] saber alocar esses dois perfis de profissionais dentro de equipes de trabalho é fator decisivo para fazer a inovação acontecer! As competências do perfil inovador completam as competências do perfil transformador e vive-e-versa.

Equipes que possuem esse equilíbrio aumentam as suas chances de tornar as ideias criativas em bons negócios. Quando isso não acontece, o efeito colateral é a entrega de pacotes de trabalho triviais, pouco competitivos em um mercado que demanda cada vez mais inovação. Outro efeito colateral perverso é a desmotivação e a evasão dos talentos das organizações.

Quanto mais cedo as organizações buscarem essa configuração para suas equipes, mais ágil será a instalação e aceleração do nível de maturidade de sua cultura e seus talentos para a inovação, consequentemente, essa “tração forte” levará as mesmas para a competição no século XXI.

As novas tecnologias entram como parceiras nas áreas de RH para selecionar as pessoas certas para os “lugares certos”, também auxiliam em seus processos de progressão e desenvolvimento de carreira, adaptando jornadas e seus propósitos, conciliando às estratégias da organização. O engajamento do profissional vem da inteligência criada pelo potencial que o People Analytics entrega: dados e análises para maior precisão no gerenciamento de sua “carteira” de talentos.

Quanto maior o uso dessas tecnologias e das análises decorrentes das mesmas, maior será a assertividade no processo de seleção, capacitação e engajamento dos talentos, consequentemente, maior será a maturidade da organização para o movimento da cultura empreendedora e da inovação. Os resultados advindos dessa cultura preparam e impulsionam a organização para o que Ismail e Malone chamam de “era das mudanças exponenciais” (2015).

Portanto, o aumento da maturidade da cultural organizacional em torno da inovação, passa pela capacidade de tração que as mesmas terão para formarem equipes ágeis, flexíveis e aderentes às mudanças exponenciais que assolam nossa sociedade. Aquelas que não conseguirem fazer a formação estratégica perderão posição competitiva no mercado.

Estudo de Caso:

Organização: Instituição brasileira, que reúne cerca de 30 organizações de diferentes segmentos e movimentou cerca de 70 bilhões de reais em 2017. A partir de seu planejamento estratégico, tem como foco dobrar o seu faturamento, por meio de inovação dos produtos e serviços, agregação de valor aos produtos e serviços, ampliação do treinamento de líderes e colaboradores, entre outros aspectos[2].

Escopo: O projeto desenvolvido passa por fases diferentes de execução. Nesse caso, focaremos na primeira fase do projeto, aqui denominada de Fase 1 – Mapeamento do Grau de Dominância de Competências por meio do Mobi People[3] e Peopel Analytics.

Ações Desenvolvidas: Fase 1 – Aplicação do Game Mobi People e na sequência realização de People Analytics para identificação dos perfis dos jogadores em: perfil inovador (criador de ideais) e perfil Transformador (transformador de ideais em projetos e negócios). Para tanto, foi aplicado o Game Mobi People para 470 colaboradores das organizações participantes[4]. Na ocisão das análises, foram identificados 44,47% jogadores com perfil inovador e 55,53% com perfil transformador. Como pode ser verificado nas análises quantitativas abaixo, para cada tipo de competência analisada pelo Game, foi possível, além de identificar os perfis, também apresentar trilhas de desenvolvimentos com maior precisão, para suprir os Gaps apresentados em cada competência mapeada (o que foi realizado na sequência do mapeamento, considerando o caso aqui descrito).

Conclusão: A partir do mapeamento do grau de dominância das competências e a identificação do perfil dos talentos mapeados, foi possível a organização do processo de desenvolvimento para os participantes do projeto, de modo customizado e aderente aos resultados do People Analytics. Para cada competência, gerou-se um resultado, que sinalizou a tração que deveria ser assumida no processo de desenvolvimento dos talentos para que os mesmos possam estar preparados para responder à estratégia definida pela instituição. O projeto está em andamento, e possui robustez para suportar as intenções da instituição contratante em sua jornada para o futuro.

[1] A Arbache Innovation, por meio do Game Mobi People, faz o mapeamento do grau de dominância de competências, a partir do mapeamento de 180 comportamentos agrupados em 35 competências. A partir desse mapeamento, é possível identificar por meio dos resultados do relatório do game, se o jogador possui maior grau de dominância nas competências voltadas para inovação, ou transformação.

[2] Por questões éticas não será publicado o nome da instituiçõe.

[3]Descrição do Game Mobi People:  https://arbache.com/pt/mobi/people. Acesso em fevereiro de 2019.

[4] Como o projeto ainda está em andamento, o número de aplicação do game vem crescendo em 2019. 

Referências Bibliográficas:

ARBACHE, Ana. Tópicos especiais: a produção dos alunos do curso Master Business Administration Executivo em Economia e Gestão: Recursos Humanos. In: ARBACHE, P. A.; DUTRA, D. A. RECURSOS HUMANOS transformando pela gestão. FGV Editora, 2018.

ISMAIL, Salim, MALONE, Michael, VAN GEEST, Yuri. Organizações exponenciais. São Paulo: HSM, 2015.

WHINTEHEAD, Alfred, ELLINSON Larry. Managing innovation and change. In: Fyi for strategic effectiveness. (Org. EICHINGER, Robert, ULRICH, David). Lonminger International, 2007, p. 31-39.

Ana Paula Arbache

Ana Paula Arbache

Pós-doutora em Educação pela PUC/SP. Doutora em Educação pela PUC-SP. Mestre em Educação pela UFRJ. Certificada pelo Massachusetts Institute of Technology/MIT- Challenges of Leadership in Teams (2015), Leading Innovative Teams (2018). Docente dos cursos de MBA e Pós MBA da Fundação Getúlio Vargas. Orientadora e avaliadora de trabalhos de pós-graduação. Sócia Diretora da Arbache Innovtions, responsável pelas ações de Gestão de Pessoas, Liderança, Governança Corporativa, Sustentabilidade Ética, Social e Ambiental e Elaboração e Aplicação Jogos de Negócios. Pesquisadora e autora das obras: A Educação de Jovens e Adultos Numa Perspectiva Multicultural Crítica (2001), Projetos Sustentáveis Estudos e Práticas Brasileiras (2010), Projetos Sustentáveis: Estudos e Práticas Brasileiras II (2011), Sustentabilidade Empresarial no Brasil: Cenários e Projetos (2012), A crise e o impacto na carreira (2015), O RH Transformando a Gestão – Org. (2018). Certificação em Coaching e Mentoring de Carreira para Executivos. Mentora do Capítulo PMI/SP. Curadora e Colunista do blog arbache.com/blog e Página Mundo Melhor de Empoderamento Feminino Arbache innovations. Fundadora do Coletivo HubMulheres. Palestrante em encontros nacionais e internacionais.

Fernando Arbache

Fernando Arbache

Doutorando ITA. Mestre em Engenharia Industrial PUC/Rio. Independent Education Consultant working with MIT Professional Education. Graduado em Engenharia Civil, UFJF. Data and Models in Engineering, Science, and Business/MIT, Cambridge, MA (USA). Challenges of Leadership in Teams/MIT, Cambridge, MA (USA). Data Science: Data to Insights/MIT, Cambridge, MA (USA). AnyLogic Advanced Program of Simulation Modeling/Hampton, NJ (USA).: Educational Consultant working with MIT. Coordenador da FGV em cursos de Gestão (curso de MBA em Gestão das Casas Bahia). Professor FGV, nas cadeiras e Logística, Estatística, Gestão de Riscos e Sistemas de Informação. Professor da HSM Educação nas cadeiras e Logística e Estatística. Professor IBMEC, Professor concursado na FATEC/São José dos Campos. Obras: ARBACHE, F. Gestão da Logística, Distribuição e Trade Marketing. São Paulo: Ed. FGV, 2004. ARBACHE, F. Logística Empresarial. Rio de Janeiro: Ed. Petrobras, 2005. ARBACHE, A. P. e ARBACHE, F. Sustentabilidade Empresarial no Brasil: Cenários e Projetos. São José do Rio Preto- SP: Raízes Gráfica e Editora, 2012. Pesquisa: Desenvolvimento de modelos de mapeamento de Competências Comportamentais e Técnicas, por meio de gamificação com uso de Inteligência Artificial, utilizando Deep Learning e Machine Learning (http://www.arbache.com/mobi). Desenvolvimento de pesquisa de modelos para geração de indicadores de aprendizados para inovação, assim como de competências essenciais para inovação (curva de aprendizado e gaps de competências) e obtenção de ROI (Return Over Investment). As pesquisas que estão em desenvolvimento, têm como hipótese que existem modelos inovadores, para mapeamento de aprendizado adaptativo, com o uso de inteligência artificial, para atendimento em empresa e pessoas. Esses indicadores estão em uso, em um dos maiores programas de inovação para o cooperativismo da América Latina, que é fruto de pesquisas realizadas, desenvolvido e concebido por minhas pesquisas (http://www.arbache.com/inovaccop). Atualmente são 75 cooperativas de diversas áreas de atuação e aproximadamente 500 participantes. Estudos acima impactam no desenvolvimento do conceito RH 4.0 ou RH de Precisão, assim como no entendimento do impacto da Gestão por competências em um ambiente de inovador. Desenvolvimento de Inteligências nos dados e métricas - Big data e precisão nas tomadas de decisões na gestão de pessoas. Com os elementos anteriores, estuda-se a estratégia de negócios e estoque de talentos - o que os números revelam para o sucesso nas organizações. Estatística e inteligência estratégica para negócios em ambientes inovadores. Experiência Profissional: CIO (Chief Innovations Officer) da empresa Arbache Innovations especializada em simulação, inovação com foro em HRTech e EduTech – empresa premiada no programa Conecta (http://conecta.cnt.org.br) como uma das 5 entre 500 startups mais inovadoras da América Latina. Empresa Acelerada pela Plug&Play (https://www.plugandplaytechcenter.com) em Sunnyvale, CA – Vale do Silício entre novembro e dezembro de 2018. Desenvolvimento de parceria com o MIT – Massachusetts Institute of Technology para cursos presenciais e digitais – http://www.arbache.com/mitpe, https://professional.mit.edu/programs/digital-plus-programs/who-we-work & https://professional.mit.edu/programs/international-programs/who-we-work

Deixe seu comentário

Clique aqui para publicar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.