Mentoring

Mentoria ágil: a formação de uma mentalidade de carreira proteana em tempos VUCA.

mentoring

Que os tempos VUCA/VICA estão tirando organizações e profissionais da zona de conforto, está posto! Volátil, Incerto, Complexo e ambíguo, , exigem que as  organizações façam muito mais do que estão fazendo. Da mesma forma, levam os profissionais para repensarem seus papeis e atitudes, frente a transformação digital e  a chegada de mercados e negócios emergentes dessa Era.

Para alguns autores, é o melhor momento para se viver, sob a tese da abundância, afirmam que a chegada das novas tecnologias, de novos modelos de consumos e hábitos, trazem oportunidades, sem limites, para organizações e profissionais se redefinirem nesse contexto.

Para outros, a Era é de escassez, pois não temos maturidade para viver o lado cognitivo da inovação, não temos capital humano preparado (muitos processos de formação não acompanharam o ritmo acelerado das mudanças que impulsionam o século XXI), grande parte dos parques industriais estão sem potencial de compra de equipamentos de última geração tecnológica, devido a crise pela qual o nosso país passa. Para esses autores ainda há muito o que se fazer, para que possamos entrar em uma Era mais virtuosa.

O que é consenso entre eles, é que ninguém estará isento do impacto dessas mudanças!  O Mundo VUCA/VICA, a Revolução 4.0 e as Organizações Exponenciais (EXOs) definem novas identidades para todos, planetariamente!

O mentoring pode ser visto como uma ferramenta ágil, na preparação de organizações e profissionais, para tracionarem rapidamente e poderem acompanhar esse ritmo. Por meio da interação colaborativa entre as gerações e por meio da relação de confiança entre mentor e mentee, a gestão do conhecimento acontece de modo mais dinâmico, assertivo e voltado para a precisão. Além de estar focado em resultado, também está alinhado com a concepção de despertar propósito e engajamento, visto que aumenta o potencial de inspirar os sujeitos, a partir do compartilhamento de seus valores e aspirações. O mentor e o mentee ganham nesse processo e a organização ganha por agilizar o  desenvolvimento de capital humano.

O mentoring acelera a rota de desenvolvimento do capital humano, tornando-se mais aderente ao cenário VUCA, desse modo fazendo que o mesmo esteja  apto a responder as demandas imediatas do cenário e prepara para lidar melhor,  com os desafios e emoções trazidas à tona por essa nova Era.

O mentor, a partir de seu legado e de seu conhecimento, pode antecipar a reflexão sobre as emoções, como também trazer lições aprendidas que irão ser acionadas pelos mentees, em uma situação vivida por ele. Essa simulação antecipada, favorece comportamentos mais adequados frente a mudança constante a qual vivenciamos.

O mentoring reverso também é uma ferramenta assertiva, no processo de desenvolvimento das gerações no mercado. Para o profissional sênior, o conhecimento do modelo mental das novas gerações, das relações humanas e ferramentas tecnológicas utilizadas pelas novas gerações o auxiliará em sua melhor adaptação e por consequência, maior performance nesse contexto.  Outro ponto relevante para o profissional que sênior que passa pelo mentorng reverso é que o mesmo  possa desenvolver empatia e, consequentemente, conseguir enxergar o mercado com mais aderência, podendo modelar produtos e serviços amalgamados a esse perfil. Para os mais jovens, aprender a respeitar o conhecimento dos mais seniores, conhecer como desenvolver inteligência emocional frente a conflitos e situações delicadas, bem como fazer conexões férteis para compor equipes de trabalho inovadoras.  A cultura da diversidade é fortalecida pelo mentoring reverso.

Para tempos complexos, unir legado e relacionamento humano intergeracional  é um modo de acionar a inteligência coletiva, corrigir erros em ambiente seguro, aprimorar em rota, e criar a possiblidade de co-criação de soluções!

Ana Paula Arbache

Ana Paula Arbache

Pós-doutora em Educação pela PUC/SP. Doutora em Educação pela PUC-SP. Mestre em Educação pela UFRJ. Certificada pelo Massachusetts Institute of Technology/MIT- Challenges of Leadership in Teams (2015), Leading Innovative Teams (2018). Docente dos cursos de MBA e Pós MBA da Fundação Getúlio Vargas. Orientadora e avaliadora de trabalhos de pós-graduação. Sócia Diretora da Arbache Innovtions, responsável pelas ações de Gestão de Pessoas, Liderança, Governança Corporativa, Sustentabilidade Ética, Social e Ambiental e Elaboração e Aplicação Jogos de Negócios. Pesquisadora e autora das obras: A Educação de Jovens e Adultos Numa Perspectiva Multicultural Crítica (2001), Projetos Sustentáveis Estudos e Práticas Brasileiras (2010), Projetos Sustentáveis: Estudos e Práticas Brasileiras II (2011), Sustentabilidade Empresarial no Brasil: Cenários e Projetos (2012), A crise e o impacto na carreira (2015), O RH Transformando a Gestão – Org. (2018). Certificação em Coaching e Mentoring de Carreira para Executivos. Mentora do Capítulo PMI/SP. Curadora e Colunista do blog arbache.com/blog e Página Mundo Melhor de Empoderamento Feminino Arbache innovations. Fundadora do Coletivo HubMulheres. Palestrante em encontros nacionais e internacionais.

Deixe seu comentário

Clique aqui para publicar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.