Gestão de Projetos

Gestão de Projetos, Governo e Educação Em Saúde Ambiental: Uma Relação Eficiente, Eficaz e Efetiva

projeto ambiental

Ramon Garcia (MBA Gerenciamento de Projetos FGV)

         O texto  é versão resumida de trabalho de conclusão de curso de pós-graduação em gerenciamento de projetos pela Fundação Getúlio Vargas – FGV, intitulado Treinamento em Gestão de Projetos: uma aplicação do PMBoK® no desenvolvimento do Programa de Educação Municipal em Saúde Ambiental (PEMSA) de Caieiras – SP, modalidade MBA.

Observa-se, atualmente, nos municípios brasileiros, uma carência generalizada de efetividade, eficiência e eficácia das ações de iniciativa governamental que visam a qualidade de vida dos cidadãos.

Em contraste ao somatório de impostos pagos por estes cidadãos, com o intuito de serem garantidos serviços básicos de qualidade, é evidente a precariedade dos transportes coletivos, a baixa eficiência dos sistemas públicos de segurança e saúde, a ineficácia no provimento de um ambiente natural e construído em equilíbrio, estendendo-se, também, esta deterioração a outras variáveis essenciais ao ser humano, como alimentação saudável e livre de agrotóxicos, maior desenvolvimento de ações culturais e de postos locais de trabalho e mobilidade municipal de veículos e pedestres em harmonia. Assim, tem-se uma insustentabilidade sistêmica que impacta o cotidiano dos cidadãos.

Portanto, nota-se a urgência de ações governamentais integradas em detrimento da departamentalização administrativa, hegemônica na gestão pública e que se caracteriza por uma especialização técnica, tendo-se nas diversas secretarias municipais, muitas vezes, objetivos que não agregam alto valor e resultados conjunturais efetivos para municipalidade. Em outras palavras, produzem efeitos paliativos e localizados, focalizando-se o problema e não a solução.

É neste contexto que a educação em saúde ambiental propõe uma nova abordagem das questões sociais e ambientais (cujos desdobramentos atingem todos os aspectos do cotidiano das pessoas) ao designar o cuidado integral com a saúde e o ambiente como causa primordial para o estabelecimento de uma nova racionalidade em que se destacam a cultura de paz e de sustentabilidade socioambiental, tecnológica e econômica.

Somado a isto, cabe ressaltar, também, que a Administração pública é composta por pessoas, as quais irão executar as diretrizes, programas e projetos estabelecidos. Desta forma, uma nova perspectiva de tratamento das questões públicas está intrinsecamente relacionada à gestão do conhecimento institucional, sendo o treinamento de servidores públicos em gestão de programas e projetos o primeiro passo a ser dado em direção ao exercício de uma gestão pública mais eficiente, efetiva e eficaz no que tange: aos uso dos recursos disponíveis; ao alcance de metas e indicadores de desempenho estipulados; à gestão de escopo, do tempo, da equipe e da expectativa de partes interessadas nos projetos e programas (com especial destaque àqueles que pagam taxas e impostos, o contribuinte); ao controle dos riscos inerentes às ações desenvolvidas; ao gerenciamento de aquisições de serviços, produtos e resultados em processos licitatórios; à comunicação dos resultados parciais e finais e de prestação de contas aos demais servidores públicos, a outras entidades executivas, legislativas e judiciárias e, principalmente, aos munícipes.

Portanto, a educação em saúde ambiental torna-se relevante ponto de partida para uma maior resolutividade de políticas públicas e ações estratégicas governamentais, ao por foco: na saúde ao invés da doença, preconizando a prevenção e o cuidado integral do indivíduo (visando seu equilíbrio físico, psicológico e espiritual); na premissa de que um ambiente natural, conservado e preservado, contribui para a perpetuação do ser humano como espécie social e sociável; na capacitação e valorização do servidor público como elemento-chave para o início de uma abordagem integrada das demandas da sociedade a qual, com o tempo, poderia assimilar uma racionalidade socioambiental, transversal, integral e auto-sustentável.

Referências Bibliográficas

ARAUJO FILHO, Ney Pereira de. Apresentações empresariais além da oratória. 2 ed. São Paulo: Elsevier, 2014. 216 p.

BARCAUI, André B. Gerenciamento do tempo em projetos. 3 ed. – Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010. 168p.

BARBOSA, Christina. Gerenciamento de custos em projetos. 4 ed. – Rio de Janeiro: Editora FGV, 2011. 172p.

BORDEAUX-RÊGO, Ricardo et al. Viabilidade econômico-financeira de projetos. 3 ed. – Rio de Janeiro.: Editora FGV, 2010. 164 p.

CARVALHAL, Eugenio do. Negociação e administração de conflitos. 3 ed. – Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010. 196 p.

CHAVES, Lúcio Edi. Gerenciamento da comunicação em projetos. 2 ed. – Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010. 172p.

GüNTER, Wanda Maria Risso. Resíduos sólidos no contexto da saúde ambiental. 2008. Tese (Livre Docência em Resíduos Sólidos) – Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

LIMEIRA, André Luis Fernandes. Contabilidade para executivos. 9 ed. – Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010. 124p.

LOVELOCK, James. Gaia: alerta final. Rio de Janeiro: Intrínseca. 2010. 264p.

MARSHALL JUNIOR, Isnard. Gestão da Qualidade. 10 ed. – Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010. 172p.

PEIXOTO, Sandro Garcia Duarte. Eficácia e gestão da política de atenção básica de saúde nos municípios brasileiros. 2008. Dissertação (Mestrado em Economia das Instituições e do Desenvolvimento) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. A Guide to the project management Body of Knowledge – PMBOK® Guide. 4. ed. USA: Project Management Institute, Inc., 2008.

RAJ, Paulo Pavarini. Gerenciamento de pessoas em projetos. 2 ed. – Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010. 180p.

REDINHA, Maria Elizabete da Silva Santos. A publicação primária em saúde ambiental como recurso didático para educação científica no ensino médio. 2014. Dissertação (Mestrado em Fisiopatologia Experimental) – Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

SALLES JUNIOR, Carlos Alberto Corrêa et al. Gerenciamento de riscos em projetos. 2 ed. – Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010. 176p.

SILVA, Elaine Cristina da. Participação comunitária nos processos de educação em saúde e ambiental: região de Paranapiacaba e Parque Andreense. 2009. Dissertação (Mestrado em Serviços de Saúde Pública) – Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

SOTILLE, Mauro Afonso. Gerenciamento do escopo em projetos. 2 ed. – Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010. 172p.

SOUZA E SAVI, Erika Monteiro de. Gerenciamento de projetos apoiando a gestão pública: uma análise para o Governo do Estado de Minas Gerais. 2011. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, 2011.

VALLE, André Bittencourt do. Fundamentos do Gerenciamento de Projetos. 2 ed. – Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010. 172 p.

XAVIER, Carlos Magno da Silva. Gerenciamento de aquisições em projetos. 2 ed. – Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010. 180p.

Autor: Ramon Gustavo Santos Garcia

Email: geprojetos@yahoo.com