Carreira Empreendedorismo Estratégia Liderança

Engajamento de qualidade, como conseguir na sua empresa?

Só existe uma forma de construir negócios com potencial global, através de um time sinérgico, engajado e que caminhe na mesma direção, caso contrario será muito difícil ou até mesmo impossível. E é por isso que as empresas mais bem sucedidas valorizam fortemente os seus talentos e possuem uma forte cultura organizacional.

O instituto Gallup aponta, em pesquisa, que há um aumento de 20% ou mais na produtividade e lucratividade nas empresas com altos índicies de engajamento de funcionários.

Com o objetivo de descobrir como engajar funcionários, as empresas vão atrás das motivações que impulsionam esse comportamento. Mas a maioria das organizações simplifica demais as coisas, acreditando que a satisfação pessoal possa ser um indicador representativo do engajamento de funcionários.

Mas então, como engajar os funcionários?

O primeiro passo é entender os comportamentos e percepções dos colaboradores, o que é uma tarefa muito difícil e para isso usamos as figuras arquetípicas, desta forma a compreensão se torna mais intuitiva, não só para os gestores, mas também para os próprios funcionários, que podem se conscientizar de seu comportamento e melhorá-lo.

Essa é uma maneira bastante eficaz de como engajar funcionários, encontrando as reais alavancas de engajamento que cada perfil necessita.

Então vamos conhecer um resumo dos 9 arquétipos:

  • Sabotador: com comportamento destrutivo e percepção negativa, não há muito o que se falar do sabotador. Com certeza sua existência na empresa mostra que há algo de muito errado acontecendo com ele ou com a maneira que a organização lida com seus colaboradores.
  • Cínico: com comportamento neutro e percepção negativa, o cínico, assim como os delinquentes e andarilhos, que veremos a seguir, dificilmente se engajam com o trabalho, pois lhes falta maturidade e autocrítica.
  • Delinquente: com comportamento destrutivo e percepção indiferente, o delinquente não dá o devido valor ao trabalho, é um “rebelde sem causa”.
  • Andarilho: com comportamento neutro e percepção indiferente, o andarilho não se fixa nos empregos, prefere pular de um para outro e dificilmente consegue ser motivado.
  • Mártir: com comportamento construtivo e percepção negativa, o mártir tem potencial de crescimento e é em arquétipos como este – que ficam na coluna da direita da tabela e na linha de cima – que a empresa deve focar seus recursos. É muito esforçado, mas reclama demais e precisa melhorar sua autoestima.
  • Trator: com comportamento construtivo e percepção indiferente, o trator também faz de tudo pela empresa, mas precisa desenvolver habilidades de liderança se quiser se tornar uma estrela, deixando de lado o trabalho operacional. Mas será que ele quer isso ou prefere ficar onde está?
  • Criança mimada: com comportamento destrutivo e percepção positiva, a criança mimada acha que já sabe tudo e que não precisa aprender mais nada, nem ajudar seus colegas (ou ser ajudado por eles). Precisa aprender a trabalhar em equipe e valorizar os outros.
  • Abaixo de seu potencial: com comportamento neutro e percepção positiva, colaboradores que atuam abaixo de seu potencial precisam entender uma razão maior por trás do que fazem, sentir que estão construindo algo de valor para que tenham uma postura mais construtiva e passem a dar o máximo de si mesmos.
  • Estrela: com comportamento construtivo e percepção positiva, o estrela não nasce pronto, ele é um dos arquétipos anteriores que foi devidamente capacitado e motivado. Ele tem senso de liderança, autoestima elevada, sabe trabalhar em equipe e está sempre evoluindo e estudando.

Ao entender esta classificação será mais fácil entender o que motiva as pessoas a estarem sempre atentas e dispostas a darem o máximo de si para realizar o seu melhor trabalho.

Ao invés de utilizar questionários para medir o engajamento em alto, médio ou baixo, você pode usar esta abordagem para fazer com que os colaboradores se identifiquem com um personagem e permitir que os gestores também tenham essa percepção.

Ao ter consciência do real comportamento de todos os colaboradores, será mais fácil encontrar o que os motiva e a partir daí planejar medidas para aumentar o engajamento dentro da sua empresa.