Geral

As novas gerações no mercado de trabalho.

O que eles têm para nos oferecer e o que podemos oferecer a eles?

Se você esteve atento às mudanças do mercado nos últimos anos, certamente está habituado a ouvir sobre as gerações “Y” e “Z”. A geração “Y” já se encontra no mercado há um tempo considerável, enquanto a geração “Z” começa aos poucos adentrar nessa realidade.

Como em toda “troca” de gerações, mudanças pontuais sempre acontecem. No caso, as gerações Y e Z convergem, principalmente, na facilidade do uso da tecnologia e na habilidade em se adaptar com velocidade as mudanças repentinas no mercado. Por outro lado, há também divergências, como por exemplo, a interação pessoal.

Então, antes de tudo, vamos entender de uma forma geral quem são essas pessoas e quais são suas principais características, positivas e negativas.

Geração Y, quem são?

Quem nasceu no início dos anos 1980 até meados dos anos 2000 são os chamados millennials, ou, geração Y, como são popularmente conhecidos. Essa é uma geração que nasceu em um tempo com facíl acesso a informações e tornou-se completamente habituada a tecnologia.

Por ter acesso ilimitado e rápido a qualquer tipo de informação, essa geração desenvolveu algumas características como o imediatismo, capacidade multitarefa elevada e uma visão global aguçada. Porém, nem tudo são flores, esta exposição a informação também os tornou superficiais e dispersos.

A geração Y vêm ocupando o mercado de trabalho já há alguns anos. No entanto, a grande maioria das empresas ainda não compreendeu, de fato, suas principais características e com isso, vêm tendo dificuldades em proporcionar um ambiente de trabalho condizente com os anseios dos millennials.

Geração Z, quem são?

Essa é a geração nascida no começo dos anos 2000 até meados de 2010. Uma geração “nativa digital” ou seja, que nasceu com acesso a Internet e está totalmente familiarizada com a web e todas as tecnologias adjacentes desse fenômeno, como o compartilhamento de arquivos de modo instantâneo e remoto, os smartphones, os tablets, etc. É uma geração 100% conectada.

A característica mais marcante desta geração está ligada a globalização, eles já nasceram em um mundo totalmente globalizado, por isso não se limitam a fronteiras geográficas. Um dos grandes problemas desta geração está relacionado às relações sociais, o que é paradoxal, já que eles estão acostumados a estarem conectados o tempo todo, não somente a fontes de informação, mas também a outras pessoas.  

Novas gerações, quais os seus anseios no mercado de trabalho?  

Depois de entender as principais características das duas últimas gerações que passaram a fazer parte do mercado de trabalho, é igualmente importante entender o que elas esperam encontrar nas empresas e como seus gestores devem se preparar para receber estas pessoas.

O primeiro ponto que precisamos compreender é que o conflito entre todas as gerações que ainda atuam no mercado é natural, já que os seus ideais podem divergir em vários momentos de suas carreiras. Contudo, a fim de proporcionar uma convivência harmoniosa e eficiente nas organizações, os embates devem ser evitados.

O diálogo entre o gestor e a equipe é crucial, pois, através dele será possível identificar as demandas e características de cada um dos membros da equipe e a partir daí buscar novas estratégias que tenham o intuito de aproveitar melhor as habilidades e os pontos de vistas dos colaboradores a favor do negócio.

Dadas as suas particularidades, separamos algumas demandas que são convergentes entre as gerações:

  • Liderança: o modelo antigo de chefia já não agrada nenhuma das gerações, hoje, eles procuram uma liderança que agregue conhecimento a sua carreira.
  • Flexibilidade: hoje, pela suas características multitarefas, estas gerações buscam flexibilidade, principalmente, de horários.
  • Aprendizado: o salário já não é fator determinante, a possibilidade de aprendizado também entra na conta na hora de escolher entre uma organização e outra.
  • Reconhecimento: esses jovens buscam também reconhecimento pelo seu trabalho, essa é a parte que torna o trabalho satisfatório.
  • Metas a curto prazo: os jovens são imediatistas, por isso é interessante que as organizações criem metas de curto prazo, para não desmotivar a sua equipe.

Algumas empresas vem suprindo essas necessidades através da gamificação dos seus processos de RH e até mesmo dos seus processos de treinamento. Saiba mais sobre a gamificação aqui (inserir link para o texto de gamificação).

Você pode entender mais sobre a geração Z aqui.

E sobre a geração Y aqui.