Jogos de Negócios

A Arte de Treinar Funcionários Com Eficiência

Negócios

Hoje tudo mudou no processo educativo. Na realidade quem são as pessoas que serão treinadas no futuro?

Século 21. Certamente o mundo mudou e continua mudando cada vez mais rápido. O número de usuários 3G no Brasil já chega a 11,9 milhões, contra 11,8 milhões de assinantes da banda larga fixa, ou seja, o acesso móvel superou a antiga e tradicional forma de acessar a internet. Podemos então concluir que a Internet ligada ao telefone parece coisa pré-histórica, certo? Podemos afirma com certeza que sim.

Trocar de computador, televisão ou carro, tornou-se cada vez mais uma rotina e desejo de todos.

Nós conversamos cada vez mais por mensagem instantânea, pois o e-mail, principalmente para os jovens da Geração C considerado ultrapassado!!! Muitos se perguntam, “mais eu nem comecei a usar este meio de comunicação, como pode estar ultrapassado?

Pois bem, lembra-se quando começou a usar e-mail pessoal? Não faz muito mais de 12 anos. Então como algo tão recente pode ser considerado antiquado?

Pois bem, o ciclo de vida, que é o tempo necessário para algo ser lançado, e sair de mercado por obsolescência, é cada vez menor.

Quanto mais se lança produtos, menor fica este ciclo de vida. Pense então como deve ser a  Geração C  que nasceu em um ambiente em que uma novidade é lançada a cada dia.

Vamos voltar um pouco no tempo para entendermos mais estas informações.

O início da História da Educação no Brasil começou em 1549 com o primeiro grupo de jesuítas, nos moldes da educação europeia. Este modelo era composto por sala de aula, quadro negro, onde o professor ministrava seus conhecimentos aos alunos sentados passivamente.

Hoje tudo mudou no processo educativo. Na realidade, quem são as pessoas que serão treinadas? Para falar delas temos que pensar de onde emergiram. Estes profissionais recebem milhares de informações a cada hora do dia, necessitam mapeá-las, compreendê-las e processá-las com rapidez, antes que seus concorrentes. Portanto, as informações passa a ser tão veloz, em sua criação e morte que, em muitos casos, nem nos damos conta de alguns acontecimentos.

Hoje temos professores ministrando aulas para alunos exaustos, pressionados em seu dia-a-dia pelo mercado, necessitando solucionar seus problemas no primeiro momento do dia seguinte.

Por outro lado, os professores ministram suas aulas utilizando filmes, Power Point® super elaborado, dinâmicas engraçadas e contando muita piada. A premissa básica destas ações é impedir que seu aluno “durma”. Os professores se transformaram em verdadeiros “Show man”.

O sucesso destes professores é incontestável. Porém, será que os alunos aprenderam alguma coisa para que possam solucionar os seus problemas?

Certamente a educação mudou, porém para pior, pois hoje não se ensina nem mais o conteúdo. Hoje temos diversos professores mambembe, que rodam o Brasil levando sua aula show, para alunos sonolentos e incapacitados. E os problemas? Desde que os alunos estejam felizes, o conhecimento não é bem um dos problemas que as escolas atuais possam se preocupar.

Como solucionar este problema e fazer as pessoas aprenderem?

Diante de todas estas perspectivas, temos convicção que os participantes de um treinamento, necessitam deixar de serem passivos ou meros ouvintes para tornarem-se parte do processo de ensino aprendizagem. Mas como colocá-los neste processo?

 Há um conceito denominado sinestesia, que poderá nos ajudar a compreender este fato. Sinestesia é a relação de planos sensoriais, sendo eles o paladar, olfato, tato, visão e audição. Uma experiência que envolva tais sentidos tende a permanecer na memória por mais tempo e ser absorvida de forma mais prazerosa do que quando apenas um destes planos sensoriais é aplicado, o que ocorre em uma aula tradicional ou as “divertidas”. Uma das formas que garante este processo é a aplicação de Jogos de Negócios, já utilizado em diversos países desenvolvidos, como, por exemplo, os Estados Unidos, e pelas mais afamadas Universidades daquele país, com absoluto sucesso há alguns anos.

Este modelo, ainda pouco empregado no Brasil, garante a velocidade do aprendizado, acelerando-o em cinco vezes o processo de absorção do conhecimento, o que reduz consideravelmente o investimento do treinamento, aumentando a eficácia e a eficiência do mesmo.

Será que não está na hora de mudarmos? O mercado irá dizer. Lembre-se que em muitos casos, ao perdermos uma informação, nos arriscamos que o nosso concorrente a absorva e use-a nos deixando em desvantagem.

Fernando Arbache

Fernando Arbache

Formação: Graduado em Engenharia Civil, ufjf, Especialização em Curso de Análise, Projeto e Gerência de Sistemas, Mestre em Engenharia Industrial PUC/Rio. Doutorado em Sistemas de Informação – COPPE/UFRJ. Data and Models in Engineering, Science, and Business/MIT, Cambridge, MA (USA). AnyLogic Advanced Program of Simulation Modeling/Hampton, NJ (USA). Pesquisa em desenvolvimento de Infraestrutura Aeronáutica – ITA. Pesquisa em desenvolvimento de Aeroportos – ITA. Experiência Acadêmica: Coordenador da FGV em cursos de Gestão (curso de MBA em Gestão das Casas Bahia). Professor BSP nas cadeiras e Logística e Sistemas de Informação. Professor da Fundação Getúlio Vargas/São Paulo nas cadeiras e Logística e Sistemas de Informação. Professor da HSM Educação. Professor IBMEC nas cadeiras de Logística e Administração de Projetos. Professor do Alto comando da Marinha de Guerra Brasileira nas cadeiras de Logística e Sistemas de Informação. Professor da pós-graduação do IME (Instituto Militar de Engenharia). Professor Fundação Dom Cabral – Jogos de Negócios e Logística. Professor concursado na FATEC/São José dos Campos – Estatística Aplicada e Jogos de Negócios. Livros escritos: ARBACHE, F. Gestão da Logística, Distribuição e Trade Marketing. São Paulo: Ed. FGV, 2004. ARBACHE, F. Logística Empresarial. Rio de Janeiro: Ed. Petrobras, 2005. ARBACHE, A. P. e ARBACHE, F. Sustentabilidade Empresarial no Brasil: Cenários e Projetos. São José do Rio Preto- SP: Raízes Gráfica e Editora, 2012. Experiência Profissional: Atual Sócio-Diretor das empresas: Arbache Tecnologia Educacional (http://www.arbache.com). Jogos de Negócios para clientes como: Vale (I. Desenvolvimento de Jogos de Negócios, para gerenciamento de Risco Ferroviário – com enfoque em Saúde e Segurança. II. Desenvolvimento de Jogos de Negócios para capacitar aos gestores a compreenderem a visão holística de toda a cadeia de valor da empresa no Brasil e em Moçambique), Ecorodovias (desenvolvimento do Simulador do Pedágio – treinamento dos operadores de cabine de pedágio, para aceleração do conhecimento a respeito da operação de pedágio).

Deixe seu comentário

Clique aqui para publicar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.