Cotidiano

Pediu mesmo minha opinião? Seja sincero

recomeçar
Thinking woman with many colorful chart bubbles above isolated on white background

Por algum momento solicitamos a opinião de alguém para nortear nosso caminho. Escrevo sobre uma pessoa que conheci há uns anos atrás, numa situação desconfortável para ela, e que acabou se tornando, de alguma forma, próxima a mim e extremamente querida. Na realidade, não acreditava que sabia muito sobre ela, (além do que garimpei internet adentro), quer dizer, temos contato via e-mail com alguma frequência, e alguns contatos pessoais, mas quando conseguimos sentar para conversarmos, o tempo se torna sempre aquém do que queremos compartilhar.

E numa destas “coincidências” da vida fui convidada para atualizar uma disciplina em que um dos autores que eu teria que ler, seria  justamente esta pessoa. Quando a comuniquei que iria ler referido livro, ela gentilmente me enviou o material e disse – “critique-me, seja inclemente!” e eu brinquei dizendo que não teria a ousadia de ensinar o Papa a rezar, mas que já que parecia um pedido legítimo e sincero, assim o faria… e a leitura foi transcorrendo e eu lá com minhas breves anotações (ora de mera correção de digitação, ora abordando a forma que via aquele assunto…) e passei a enviar estes comentários por capítulos.

Confesso que só no primeiro retorno  tive a consciência de que, por não conhecê-la tão bem, poderia ter perdido uma pessoa querida (o que felizmente não foi o caso), pois realmente não sabia como ela reagiria aos comentários, pois é sabido que uma questão é pedir críticas acerca de algo, outra coisa é de fato recebê-las de forma madura. Claro que esta pessoa tem vasto conhecimento inquestionável, e que é dotada de grande capacidade e entendimento, mas aonde eu fui quase inocente, foi não ter sequer me preocupado em ter me indagado: “essa pessoa está sendo política ou ela de fato quer a minha opinião e crítica?”

Eu tenho uma outra amiga (que essa sim, me conhece bem) que diz: se você está me pedindo algo, eu estou acreditando que você quer de fato, pois tanto ela quanto eu, não conseguimos reconhecer de pronto um convite político.

E este assunto me fez pensar no quanto é bom ter clareza na comunicação. Se o outro sugere críticas e você as dá de forma justificada, eu acredito que há o estreitamento desta  relação através do alargamento da confiança, e isso, de todas as formas, não tem preço!

É claro que devemos ter cuidado ao pedir a opinião dos outros (pois se tal pedido for feito à pessoa que desconhece o que você quer melhorar) seu tempo se esvairá numa comunicação vazia e cheia de estupidez.

Entretanto, caso você passe pela mesma experiência que eu, avalie a sinceridade do autor e utilize apenas um recurso na devolutiva: a sinceridade. Eu creio que a disposição nestes casos, tem que ser maior em quem pede a crítica do que em quem a realiza. É claro que quem critica deve se envolver, estar atento e ter cuidados e humor, mas a abertura para novas possibilidades deve vir de quem pede algo, pois  se está disposição inexistir, é melhor manter a situação como está.

Gosto muito de uma frase de Oscar Niemeyer que diz que “a linha reta não sonha,” e se permitirmos que as experiências dos outros agreguem ao nosso conjunto de ideias, perceberemos o quão necessário são as curvas da vida. Obrigada pela confiança!

Uma linda semana cheio de curvas para todos nós!

Categorias

Entre em contato conosco

 

Mensagem enviada com sucesso

Em breve retornaremos o contato.

◄ Voltar

Outros projetos da Arbache Tec

Telefone para contato
+55 11 97289-0180
Nosso e-mail
arbache@arbache.com.br
Todos os direitos reservados @arbache 2017